fbpx
DESIGN UX_O Que Vai Mudar em 2020

Design UX: O Que Vai Mudar em 2020

Todos os anos, a UX Collective publica um relatório sobre o estado da indústria do design UX, cobrindo tudo, desde as ferramentas que usamos até os desafios de carreira que enfrentamos. O relatório é baseado em links selecionados e partilhados (mais de 2.411 este ano), escritos por designers brilhantes e líderes de opinião do setor.

O relatório de 2018 concentrou-se em como as experiências que criamos podem impactar o mundo – desde o vício em tecnologia até à influência nas eleições democráticas. Mas o relatório deste ano traz uma perspetiva mais positiva: 2020 é o ano de otimismo pragmático para o design UX, focado em ações tangíveis e um entendimento de como transformar frustração em motivação para criar coisas melhores no mundo. Como designers, sabemos que a chave para resolver qualquer problema é o otimismo. Podes ler o relatório completo aqui, mas abaixo, encontras três sugestões sobre o que esperar para o UX em 2020.

2019 em deepfakes: de experiências divertidas a retaliação política.

1. DESIGN PARA A ERA PÓS-VERDADE

A ascensão de vídeos de deepfakes e a desinformação que estão a ser usados para impulsionar agendas políticas fazem-nos questionar o nosso senso de realidade. Como designers de produtos digitais para a próxima década, precisamos concentrar os nossos esforços em criar transparência e incentivar o pensamento crítico dos nossos utilizadores.

Em maio de 2019, o presidente americano Donald Trump fez tweet com um vídeo da presidente da Câmara, Nancy Pelosi, que foi editado para fazê-la parecer bêbada. Enquanto isso, quando questionado na televisão sobre o papel do Facebook na disseminação viral deste vídeo, a vice-presidente de política de produtos Monika Bickert argumentou pela abordagem do Facebook: em vez de remover o vídeo falso da sua plataforma, o Facebook optou por mostrar um alerta avisando os utilizadores de que a veracidade de o vídeo não foi confirmado pelas agências de verificação de fatos.

O Facebook vai começar a rotular as publicações falsas com mais clareza, mas não as removes da sua plataforma.

Há alguns meses, o YouTube introduziu um aviso ao lado do player de vídeo UI que permite às pessoas saberem qual empresa ou entidade está por trás do conteúdo que está a assistir. O The Guardian acrescentou data aos artigos publicado anteriormente no seu thumbnail social, para impedir que os utilizadores partilhem novamente notícias antigas pensando (ou fingindo) que estão atualizadas.

Design para a Transparência

Estamos a viver numa era de verdades fragmentadas e seus principais mecanismos. Globalmente, há pelo menos 70 países que passaram por campanhas de desinformação. “Como poderíamos comprimir todas essas bolhas contraditórias da realidade num único livro de história?”, pergunta o investigador de design Aaron Lewis no seu brilhante artigo sobre o presente “pós-verdade”.

Os meios de comunicação começaram a repensar a forma como os artigos são escritos para mitigar a ambiguidade e a má interpretação dos fatos. O Axios, por exemplo, tem uma maneira única de descrever diferentes perspetivas nos seus artigos e orientar os leitores para uma abordagem mais crítica ao consumo de notícias.

“Este é um desafio extremamente complexo para todos que trabalham na indústria de notícias, e o design é apenas uma pequena peça do quebra-cabeça”, explica Al Lucca, Head de design da Axios. “O maior desafio que os designers terão em 2020 será como tirar as pessoas do ciclo de ruído e ansiedade das redes sociais e das notícias online e ensiná-las a identificar notícias falsas, que eventualmente levarão todos de volta a conversas mais saudáveis e confiáveis.”

Os artigos da Axios são escritos de uma forma que ajuda os leitores a entender todos os lados de um determinado assunto.

Da mesma forma que a Google iniciou a sua jornada para combater deepfakes, a Adobe anunciou recentemente o seu próprio serviço para detetar imagens e vídeos manipulados através do uso de IA. A mesma empresa que foi pioneira na edição de imagens e vídeos agora está a ajudar as pessoas a diferenciar fotos do Photoshop de fotos reais.

Como designers de produtos no ano de 2020, temos muito trabalho pela frente: projetando ferramentas para filtrar conteúdo falso, conscientizando os utilizadores da deslealdade das deepfakes e impedindo a disseminação de informações erradas. Mais importante ainda, seremos responsáveis por aumentar a conscientização dentro das nossas organizações, estabelecer princípios em torno da verdade e relatar como as nossas plataformas podem ser mal utilizadas por agentes com agendas ocultas.

2. A ASCENSÃO DAS COMUNIDADES DE MICRO DESIGN

Como designers, todos nós juntamos mais grupos Slack, Linkedin e Facebook com temas de design do que podemos acompanhar – talvez em resposta à necessidade humana visceral de nos sentirmos parte de algo maior que nós mesmos. Mas a realidade das comunidades de design online é bem diferente do que estas parecem prometer inicialmente. Grupos com milhares de designers ficam inativos quando os membros percebem que têm pouco em comum ou permanecem ativos mas acabam transformando-se num fluxo interminável de peças de autopromoção e marketing de conteúdo. Os tópicos de discussão no Reddit ou DesignerNews não se aprofundam o suficiente num tópico porque são retidos por falhas de comunicação entre os participantes.

Embora as grandes comunidades online tenham um papel importante para tornar o design mais acessível a mais pessoas, precisamos concentrar-nos novamente nas comunidades menores que construímos para obter o valor total das nossas conversas.

Tudo isto não significa que os designers pararam de ter conversas online; significa apenas que essas conversas estão a migrar para um novo tipo de comunidade, mais íntima e focada. Estas estão a acontecer pelo WhatsApp, Telegram, mensagens diretas e hubs de super-nichos. Estão a acontecer individualmente ou em pequenos grupos, e não em grandes fóruns. Os designers estão a criar informalmente as suas próprias caixas de ressonância: pessoas com quem se sentem à vontade para partilhar feedback, trocar referências de projetos, discutir tendências ou pedir conselhos sobre tópicos como salário, dinâmica de trabalho e carreira.

A mesma mudança pode ser vista nos eventos de design. Embora as grandes conferências de design sejam uma excelente plataforma para networking, os pequenos encontros locais são mais gratificantes quando se trata de aprendizagem e desenvolvimento, pois permitem que os participantes participem de sessões de perguntas e respostas mais reais e honestas.

“A intimidade de configurações menores permite que as pessoas se abram de maneiras mais autênticas”, explica Kat Vellos, Designer de Produto Sénior do Slack e fundadora do BayAreaBlackDesigners. “Grupos menores facilitam a construção de segurança psicológica entre os participantes. Isso é muito mais difícil de fazer numa sala grande com centenas ou milhares de pessoas. A segurança psicológica é a coisa mais importante para que as pessoas confiem umas nas outras e se envolvam, e pequenos grupos/eventos sempre serão capazes de fornecer isto com melhor gestão do que conferências enormes.”

Em 2020, as discussões mais relevantes em design estão a tornar-se locais, autênticas e focadas. As grandes comunidades tornam-se principalmente uma maneira de encontrar e construir as menores. Num mundo em que todos estão a gritar uns com os outros, conversas mais calmas e mais ponderadas tornam-se incrivelmente preciosas.

3. SISTEMAS DE DESIGN INVISÍVEIS

Vemos o termo Sistema de Design (Design System) em todo o lado: conferências, artigos, tweets, cursos, slides de capacitação. Uma pesquisa rápida por “sistemas de design” no Google Trends mostra que o interesse neste tópico tem aumentado nos últimos anos. No Medium, uma série de novos artigos é publicado com essa tag a cada semana.

É fácil apreciar os sistemas de design. Da perspetiva da experiência do utilizador, o design de interfaces com padrões UX comuns cria familiaridade para os utilizadores, pois estes sabem o que esperar dos momentos da experiência que encontram regularmente no produto. Do ponto de vista técnico, os componentes reutilizáveis da interface do utilizador podem significar mais eficiência, escalabilidade e menos reformulações para os developers.

Um sistema de design não é (apenas) uma biblioteca de UI

A primeira imagem que vem à mente quando se pensa em sistemas de design é a de uma biblioteca de componentes: um repositório de padrões de interface do utilizador, como botões, menus suspensos e cartões que os designers e developers podem copiar e colar facilmente para acelerar o seu trabalho. Mas isso é apenas a ponta do iceberg: um sistema de design deve levar em consideração aspetos mais amplos das operações de uma empresa, incluindo ferramentas, gestão, pessoas, padrões de acessibilidade, tecnologia e fluxo de trabalho.

Quando estes aspetos mais amplos não são considerados, as empresas acabam com bibliotecas de design que são abandonadas dentro de alguns meses – e é por isso que os designers precisam começar a pensar nos sistemas de design como um organismo vivo que conecta toda a organização.

Sistema de design, gestão de design e biblioteca de design são três projetos diferentes, com três abordagens diferentes. Um não serve para todos.

Num artigo onde cunha a expressão “Sistema de Design Invisível”, a advogada de sistemas de design Jina Anne questiona a necessidade de ter estes repositórios públicos à medida que evoluímos a nossa prática: “À medida que as nossas ferramentas de design e engenharia se aproximam cada vez mais, vamos chegar a um ponto em que não precisamos de site? As nossas ferramentas podem apresentar sugestões para melhor acessibilidade, localização, desempenho e usabilidade, porque o nosso sistema de design está incorporado nas ferramentas?”

Um sistema de design é um reflexo dos valores de uma empresa

“Criticamente, um sistema de design é sobre pessoas: como elas interagem, como se entendem e como trabalham juntas para alcançar um objetivo comum. É feito por pessoas, usado por pessoas e experienciado por pessoas. É desafiado, moldado e quebrado pelas pessoas. (…) O nosso papel como equipa de sistemas passa do de organizador e executor para o de antropólogo e investigador.” – Daniel Eden

As experiências possibilitadas por uma empresa refletem os seus valores, tanto em termos do serviço específico que prestam, quanto da sua visão do mundo. Como a designer Tatiana Mac explica em sua palestra, ‘Construindo sistemas de design socialmente inclusivos’, sem uma intenção clara e uma consciência clara dos nossos preconceitos, os sistemas de design que criamos perpetuam os padrões estabelecidos que existem no mundo ao nosso redor. Se 83% dos executivos de tecnologia são brancos e se a proporção entre homens e mulheres é de 4: 1 no STEM, há uma grande probabilidade dos sistemas de design criados por esse grupo excluírem pessoas que não partilham a mesma raça, sexo, orientação sexual, filosofia, status socioeconómico, idioma, nacionalidade e habilidade como eles. Não é por acaso que todos os grupos de género ainda começam com a opção “Masculino” e ignoram utilizadores não binários.

Em 2020, devemos gastar menos energia na criação de novos componentes para o nosso sistema de design e focar a nossa atenção na compreensão dos sistemas por trás do design.

Este artigo foi adaptado originalmente da Fast company e do relatório completo sobre o estado do UX em 2020 que encontras aqui.

 

You dream it. We do it.